Nosso endereço

Início da Estrada do 53º BIS, s/nº ( Ao lado do IBAMA) Bairro Bom Jardim - Itaituba - PA. CEP: 68180-000

E-mail: ceacaminhodaluz2011@gmail.com

Site: http://www.ceacluz.com.br



sábado, 26 de março de 2011

 

"A mediunidade foi para o mundo espiritual, o que o telescópio foi para o mundo astral e o microscópio para o dos infinitamente pequenos."

Allan Kardec - A Gênese - Cap. IV

AUTOLIBERTAÇÃO - Mensagem FEB

* "...Nada trouxemos para este mundo e manifesto é que nada podemos levar dele," - Paulo, (I TIMOTEO, 6:7.)

      Se desejas emancipar a alma das grilhetas escuras do "eu", começa o teu curso de auto-libertação, aprendendo a viver "como possuindo tudo a nada tendo", "com todos e sem ninguém".
      Se chegaste à Terra na condição de um peregrino necessitado de aconchego e socorro e se sabes; que te retirarás dela sozinho, resigna-te a viver contigo mesmo, servindo a todos, em favor do teu crescimento espiritual para a imortalidade.
      Lembra-te de que, por força das leis que governam os destinos, cada criatura está ou estará em solidão, a seu modo, adquirindo a ciência da auto-superação.
      Consagra-te ao bem, não só pelo bem de ti mesmo, mas, acima de tudo, por amor ao próprio bem.
      Realmente grande é aquele que conhece a própria pequenez, ante a vida infinita.
      Não te imponhas, deliberadamente, afugentando a simpatia; não dispensarás o concurso alheio na execução de tua tarefa.
      Jamais suponhas que a tua dor seja maior que a do vizinho ou que as situações do teu agrado sejam as que devam agradar aos que te seguem. Aquilo que te encoraja pode espantar a muitos e o material de tua alegria pode ser um veneno para teu irmão.
      Sobretudo, combate a tendência ao melindre pessoal com a mesma persistência empregada no serviço de higiene do leito em que repousas. Muita ofensa registrada é peso inútil ao coração. Guardar o sarcasmo ou o insulto dos outros não será o mesmo que cultivar espinhos alheios em nossa casa?
      Desanuvia a mente, cada manhã, e segue para diante, na certeza de que acertaremos as nossas contas com       Quem nos emprestou a vida e não com os homens que a malbaratam.
      Deixa que a realidade te auxilie a visão e encontrarás a divina felicidade do anjo anônimo, que se confunde na glória do bem comum.
      Aprende a ser só, para seres mais livre no desempenho do dever que te une a todos, e, de pensamento voltado para o Amigo Celeste, que esposou o caminho estreito da cruz, não nos esqueçamos da advertência de Paulo, quando nos diz que, com alusão a quaisquer patrimônios de ordem material, "nada trouxemos para este mundo e
manifesto é que nada podemos levar dele".

Do livro FONTE VIVA
FRANCISCO CANDIDO XAVIER
DITADO PELO ESPÍRITO EMMANUEL


sexta-feira, 25 de março de 2011

Reconhece-se o verdadeiro espírita - O Reformador - Edição - Março de 2011 - FEB ( Federação Espírita Brasileira)

“Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más.”

Marlene Maria Goiabeira Rosa
O crescente número de espíritas que se espalha pelo mundo é, sem dúvida alguma, motivo de alegria e entusiasmo para muitos seguidores e estudiosos do Espiritismo.

Entretanto, ao destacar como verdadeiro espírita aquele que a isto anseia, Allan Kardec evidencia um único ingrediente, mas de inquestionável e comprovada eficácia: o emprego de esforços no domínio das inclinações más. E aí surgem questionamentos: quais esforços? Como?

O fato de nos autocognominarmos espíritas por si só já exige um prerrequisito: conhecer o Espiritismo. Mas esse conhecimento não deve ser equivalente àquela formal apresentação entre pessoas desconhecidas, que as regras sociais sugerem: um aperto de mão, um sorriso, troca de olhares, poucas palavras e pronto. A fim de se conhecer o Espiritismo, faz-se mister ir muito além de uma leitura superficial das obras básicas ou marcar presença rotineira nas casas espíritas.

Recomenda-nos o Codificador, de forma profunda e marcante: bem compreender e bem sentir o Espiritismo, para que nos capacitemos a assimilar e praticar a moral do Cristo, viga mestra do grande edifício da fé inabalável e esclarecida.

Para tanto, é necessário despertarmos desse sono, dessa preguiça mental, dessa comodidade de meros espectadores e ouvintes das lições evangélicas e dos fenômenos espíritas; é preciso sairmos do ostracismo de ser apenas presenças físicas nas reuniões mediúnicas, independentemente de acreditarmos nos fenômenos que lá ocorrem; é preciso superarmos o estudo superficial e repetitivo, ano após ano, pois a clareza e a simplicidade da fabulosa estrutura didático-peda-gógica organizada por Allan Kardec– na qual está assentada a Doutrina Espírita –, estão ao alcance de todas as inteligências humanas, perfeitamente aptas a apreender o efeito moral das lições do Cristo, à luz do Espiritismo. Este é o grande incentivo de Kardec àqueles que desejam dar um salto de qualidade em suas vidas.

Todavia, para isso, é essencial “[...] um certo grau de sensibilidade, a que se pode chamar maturidade do senso moral”.1 O espírita, letrado ou não, desde que esteja em plena fase do desabrochar íntimo da sensibilidade, algo diretamente ligado ao gradativo desprendimento da matéria e consequente valorização do espírito, percebe que o seu tempo de renovação interior é chegado, pois começa a adentrar, consciente e convictamente, nos campos infinitos da percepção dos valores espirituais.

Então, seu convencimento o faz vibrar de satisfação ao constatar que “há, para todas as coisas um tempo determinado por Deus”.2 Assim, o seu tempo de assumir uma boa conduta, de distinguir entre o bem e o mal, sempre com observação da Lei de Deus, chegou.

Precisamente nessa fase, em que o espírita se encontra consigo mesmo, têm início os esforços referenciados por Kardec, pois transformação moral exige a contrapartida da incorporação dos princípios da Doutrina Espírita em sua vida.3 Estabelece-se, aí, verdadeiro duelo entre o homem velho e o homem novo,4 que despertou disposto a fortalecer sua inteligência, a educar seus pensamentos, a purificar seus sentimentos, a ponto de obedecer, com rigor, a voz da consciência, principalmente naqueles momentos do eu quero, eu posso, mas não devo! Esses são os esforços a serem empregados para se vencer as inclinações más!

Esses são os momentos, sim, da humildade, da indulgência, da caridade, do perdão, pois para ser verdadeiro e transformado moralmente, o espírita terá que se conduzir pelo bem, tudo fazendo visando o bem e para o bem de todos!5 Esta é a moral do Cristo e do Espiritismo! Compete, pois, aos trabalhadores da seara bendita a responsabilidade de incorporá- la e vivê-la, intensamente!

O Espiritismo e as práticas exteriores - Jornal Mundo Espírita - FEP ( Federação Espírita do Paraná)



Os fracassos religiosos, ao longo dos milênios, demonstram claramente o acerto da conduta espírita. As práticas exteriores nos cultos congelaram a fé, impedindo o raciocínio e a discussão mais ampla em torno das necessidades humanas, dando espaço à expansão do materialismo.
A única coisa que pode mudar a Sociedade, levando-a à paz e à justiça tão desejadas, é a sua ampla e irrestrita modificação moral, sua adesão ao bem e à fraternidade legítima. Enfim, só a conquista das virtudes ensinadas e vividas por Jesus poderá mudar definitivamente o cenário de dores e conflitos, produzindo a alegria e a felicidade que todos desejamos.
Somente em clima de simplicidade e pureza de intenções é que poderemos reverter o difícil quadro da atualidade dramática em que vivemos.
Não se pode ter simplicidade e pureza, indispensáveis à fé raciocinada, em cultos que exijam paramentos, roupas especiais, imagens, símbolos de qualquer natureza, rituais, incensos, etc., que funcionam como verdadeiras prisões mentais, como algemas que impedem a liberdade do espírito. São meras fantasias que nada, absolutamente nada acrescentam à evolução da alma.
A respeito do assunto, o eminente Allan Kardec, na questão 553 de O Livro dos Espíritos indagou aos benfeitores da Humanidade, recebendo a lúcida resposta:
“Todas as fórmulas são mera charlatanearia. Não há palavra sacramental nenhuma, nenhum sinal cabalístico nem talismã que tenha qualquer ação sobre os Espíritos, porquanto estes só são atraídos pelo pensamento e não pelas coisas materiais”.
Por outro lado, a Doutrina Espírita não tem a pretensão de converter ninguém. O seu objetivo único é o de esclarecer, aproximando a criatura do Criador, por meio da compreensão de suas leis e de sua aplicação, tornando-a obreira de sua própria felicidade.

FonteFonte: http://www.mundoespirita.com.br/index.php?act=conteudo&conteudo=2837

Soou a Hora - Mensagem Luz da Razão




O método de pesquisar a verdade científica é o mesmo que deve ser empregado na conquista da verdade religiosa.
Não há dois processos diferentes de aprendizagem. O natural é um só. Indagar, deduzir, experimentar, confrontar, observar — eis os meios de chegarmos à solução dos problemas científicos e religiosos.
Não há religião fora da Ciência, e não há ciência fora da Religião. Se é certo que há ciência na Física, na Química, na Astronomia e nas Matemáticas, há sabedoria, e muito grande, na bondade de coração, na inteireza de caráter, no espírito de justiça, no cumprimento do dever, no altruísmo, na renuncia e no sacrifício próprio em prol do bem coletivo e da felicidade de todos. E estas coisas são os frutos da árvore da redenção plantada no cume do Calvário pelo Cristo de Deus. A ciência que proscreve a virtude não é ciência: é vaidade. A religião que proscreve a Ciência não é religião: é superstição.
Não estamos mais nos tempos dos dogmas e dos rituais. O imperialismo não mais domina, quer na Ciência, quer na Política, quer na Religião. O homem quer agir com liberdade, direito inalienável que Deus concede a todos. O mundo reclama uma religião que melhore as condições sociais, regenerando o indivíduo. A Humanidade está farta de Borlas e de promessas falaciosas: ela quer frutos.
Salvação e condenação já se tornaram termos vazios de sentido. O mundo atual pede fatos concretos que possam ser observados na esfera social, no cenário terreno. A religião que não melhora e homem, não salva o espírito. O credo que não tem poder para reformar os costumes, que é incapaz de conter a onda do vício e do crime que ora invade a sociedade, não merece mais crédito, nem pode ser levado a sério. Não garante o futuro quem não tem ação sobre o presente. Quem não faz o menos, não fará, com mais razão, o mais.
Não importa que certas instituições hajam conseguido prestígio no passado e disso se gloriem na atualidade. O momento atual reclama uma nova fé, uma força nova, viva, forte, capaz de conjurar os males e os flagelos que arrastam a Humanidade para o abismo. “Águas passadas não movem moinho.” Não será com as tradições que venceremos os inimigos do homem desta época: vício, crime, cobiça, ambição, fraude, hipocrisia, ociosidade. Religião que se torna estática e estéril é religião morta que pede o Requiescat in pace. Necessitamos de fé, dessa fé que é dinamismo, que é energia incoercível e cuja eficácia se revela em fatos palpáveis, concretos.
A época não é de discussões, nem de controvérsias, é dos fatos. Quem é bom, trate de ser melhor; e quem é mau há de revelar em mais alto grau as suas maldades. Todos os homens são convidados agora a se manifestarem tais quais são em realidade. “Nada há encoberto que não seja descoberto.” “E’ preciso que haja escândalos, mas ai daqueles por quem o escândalo vem.” As máscaras vão cair. Não se tolerará a hipocrisia. O que houver oculto, no coração do homem, virá à luz meridiana. Dai porque as organizações, baseadas nas exterioridades e nas encenações, ruirão por terra. Mas geraram corrupção, fanatismo e hipocrisias. Os chamados intelectuais chegaram, por isso, a negar a eficiência e o valor da fé. Encaram a religião e as demais instituições sociais como coisas que se prestam unicamente para embair a credulidade dos simples e serem explorados pelos sábios e entendidos.
“A hora vem e agora é”, em que o Filho do homem reivindicara os legítimos direitos que lhe são devidos, pois esses direitos foram conquistados com a efusão do seu sangue.
Livro: Em Torno do Mestre
Autor: Pedro de Camargo – Pseudônimo Vinicius
Local de Edição: Brasília – DF – Brasil – 1939
Paginas: 69 até 71


LAVRADORES - Mensagem FEB

*

 

"O lavrador que trabalha deve ser o primeiro a gozar dos frutos." - Paulo. (li TIMÓTEO, 2:6.)

      Há lavradores de toda classe.
      Existem aqueles que compram o campo e expiaram-no, através de rendeiros suarentos, sem nunca tocarem o solo com as próprias mãos.
      Encontramos em muitos lugares os que relegam a enxada à ferrugem, cruzando os braços e imputando à chuva ou ao solo fracasso da sementeira que não vigiam.
      Somos defrontados por muitos que fiscalizam a plantação dos vizinhos, sem qualquer atenção para com os trabalhos que lhes dizem respeito.
      Temos diversos que falam despropositadamente com referência a inutilidades mil, enquanto vermes destruidores aniquilam as flores frágeis.
      Vemos numerosos acusando a terra como incapaz de qualquer produção, mas negando à gleba que lhes foi confiada a bênção da gota dágua e o socorro do adubo.
      Observamos muitos que se dizem possuídos pela dor de cabeça, pelo resfriado ou pela indisposição e perdem a sublime oportunidade de semear.
      A Natureza, no entanto. retribui a todos eles com o desengano, a dificuldade, a negação e o desapontamento.
      Mas o agricultor que realmente trabalha, cedo recolhe a graça do celeiro farto.
      E assim ocorre na lavoura do espírito.
      Ninguém logrará o resultado excelente, sem esforçar-se, conferindo à obra do bem o melhor de si mesmo.
      Paulo de Tarso, escrevendo numa época de senhores e escravos, de superficialidade e favoritismo, não nos diz que o semeador distinguido por César ou mais endinheirado seria o legítimo detentor da colheita, mas asseverou, com indiscutível acerto, que o lavrador dedicado às próprias obrigações será o primeiro a beneficiar-se com as vantagens do fruto.

Do livro FONTE VIVA
FRANCISCO CANDIDO XAVIER
DITADO PELO ESPÍRITO EMMANUEL


quinta-feira, 24 de março de 2011

Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita - ESDE - Tomo I - 24.03.2011

Importante momento de estudo da doutrina espírita. Ocorre às quintas-feiras das 19:30 às 20:30 no C.E.A.C.D.L. Nesta quinta-feira dia 23.03 o tema em pauta foi: "Retorno à vida corporal: união da alma ao corpo" . O debates seguem-se às leituras enriquecendo o estudo.






II CAMINHADA PELA LIBERDADE RELIGIOSA

 
DIA: 27 de março de 2011 (domingo)
 
Horário: 9 horas
 
Local saída: Escadinha do Ver-o-Peso (Belém PA)
 
Realização: INTECAB/PA e Comunidade de Terreiros

 

DIFERENÇA

* "Crês que há um só Deus: fazes bem. Também os demônios o crêem, e estremecem".- (TIAGO, 2:19).


A advertência do apóstolo é de essencial importância no aviso espiritual.
Esperar benefícios do Céu é atitude comum a todos.
Adorar o Senhor pode ser trabalho de justos e injustos.
Admitir a existência do Governo Divino é. Traço dominante de todas as criaturas.
Aceitar o Supremo Poder é próprio de bons e maus.
Tiago foi divinamente inspirado neste versículo, porque suas palavras definem a diferença entre crer em Deus e fazer-Lhe a Sublime Vontade.
A inteligência é atributo de todos.
A cognição procede da experiência.
O ser vivo evolve sempre e quem evolve aprende e conhece.
A diferenciação entre o gênio do mal e o gênio do bem permanece na direção do conhecimento.
O demônio, como símbolo de maldade, executa os próprios desejos, muita vez desvairados e escuros.
O anjo identifica-se com os desígnios do Eterno e cumpre-os onde se encontra.
Recorda, pois, que não basta a escola religiosa a que te filias para que o problema da felicidade pessoal alcance a solução desejada.
Adorar o Senhor, esperar e crer nEle são atitudes características de toda a gente. .
O único sinal que te revelará a condição mais nobre estará impresso na ação que desenvolveres na vida, a fim de executar-lhe os desígnios, porque, em verdade, não adianta muito ao aperfeiçoamento o ato de acreditar no bem que virá do Senhor e sim a diligência em praticar o bem, hoje, aqui e agora, em seu nome.

Do livro FONTE VIVA
FRANCISCO CANDIDO XAVIER
DITADO PELO ESPÍRITO EMMANUEL

O tamanho de nossa cruz

Enviado pela colaboradora Adinha Carcavallo




Deus, é muito pesada... Por favor deixa eu cortar um pedacinho...







Deus, por favor só mais um pedacinho... Estarei apto a carregá-la melhor...



Deus, muito obrigado...





Vamos usá-las como ponte e atravessar...

É pequena demais não posso atravessar...


Moral da história:
Nada nesta vida é por acaso!
Muitas vezes queremos nos livrar da "cruz"  que nos é dada.
Mas para tudo tem um 'para quê' e um 'por quê'...
Deus nunca nos manda algo que não possamos suportar...

E se formos abreviar estes caminhos, certamente teremos problemas!

quarta-feira, 23 de março de 2011

Flores do nosso jardim

O C.E.A.C.D.L. possui em suas dependências uma variedade belíssima de plantas ornamentais cultivadas com carinho pelos colaboradores do centro, com destaque especial para a colaboradora Sirlene. Olha só que beleza inspiradora:

Flores da infância






Confraternização de despedida

Festa de despedida da colaboradora Judith que prossegue seu labor espírita na cidade de Belém. Com bons anos de dedicação ao C.E.A.C.D.L. ela deixa uma coleção de bons amigos conquistados pelo seu jeito amável no trato de todos.





Alegria do retorno

Retornou ao convívio fraterno do C.E.A.C.D.L. a colaboradora Cleusa que esteve ausente por um tempo para cuidar de sua saúde.  Seu regresso é motivo de alegria para todos os demais colaboradores do centro tendo em vista sua importante contribuição nas principais atividades desenvolvidas pela instituição. Um buquê de flores e outro de amigos simbolizou o carinho presente na segunda feira dia 21.03.2011

Senhor, ajuda-me a perdoar



Senhor, eu gostaria tanto de poder perdoar. Disponho-me a isso. Oro e tenho a impressão de que lavei meu coração de toda mágoa.
Contudo, basta que eu reveja quem me agrediu, caluniou, traiu e todo o sentimento retorna.
Isso está me fazendo muito mal, Senhor. Sinto um peso dentro de mim, um mal-estar e tenho a impressão de que perdi um tanto da capacidade de amar.
Em função do que padeci, tornei-me desconfiado. Quando um amigo me abraça, não me entrego em totalidade.  Fico pensando se ele está sendo sincero.
Se não estará, como outros, demonstrando uma afeição que não lhe habita a alma, somente por conveniência. Pior ainda, fico cogitando quando esse amigo me oferecerá o fruto amargo do abandono.
Isso é muito ruim, Senhor, eu sei. Contudo, tornei-me assim, depois de tantas ingratidões recebidas, em tantos afastamentos constatados, em tantas evasões de pessoas a quem entreguei o meu coração.
Recorro às páginas do Evangelho e as leio, entre a emoção e o desassossego. Pesquiso as vidas dos grandes seguidores da Tua mensagem e me indago:
Por que eles conseguiram perdoar? O que me falta para isso?
Na tela da memória, evoco a imagem do primeiro mártir do Cristianismo, Estêvão, apedrejado por amor à verdade que propagava.
Ainda agonizante, ao lado da irmã, que descobre noiva do seu verdugo, tem palavras de perdão. Não são palavras de quem, por estar morrendo, resolve doar o perdão.
São palavras de quem se mostra agradecido por reencontrar a irmã querida, depois de tantos anos de separação que lhes fora imposta.
São palavras de quem está feliz e poderá morrer tranquilo, não somente por ter sido fiel a Jesus até o fim, mas por saber que sua irmã estará bem amparada por aquele mesmo que a ele tirou a vida.
Cristo os abençoe... Não tenho no teu noivo um inimigo, tenho um irmão...
Saulo deve ser bom e generoso. Defendeu Moisés até ao fim... Quando conhecer a Jesus, servi-lO-á com o mesmo fervor...
Sê para ele a companheira amorosa e fiel...
Perdão incondicional. Ele poderia pensar em que poderia gozar da felicidade de tornar a conviver com a irmã, depois de tantos anos.
Voltar a estarem juntos, como dantes da tragédia que os separara. Mas, não.
Suas palavras não são de reprovação a quem o condenara ao apedrejamento. Nele somente há perdão.
Por tudo isso, Senhor, eu Te peço: Ajuda-me a perdoar. Ensina-me a perdoar. Promove em mim a mudança para melhor.
Não permitas que eu me perca pelas ruelas sombrias da mágoa, da tristeza e do desencanto.
Eu desejo voltar a acreditar nas pessoas, a crer na amizade sincera, na doação sem jaça.
Recordando o Teu exemplo extraordinário na cruz, preocupando-Te com aqueles que Te haviam infligido tanto sofrimento e morte, eu Te peço: Ajuda-me.
Tenho certeza de que, quando o perdão puder ser a tônica dos meus atos, eu voltarei a sorrir, a ter fé, a viver intensamente.
Ajuda-me, pois, Senhor Jesus, a perdoar. Porque, não somente desejo ser feliz, mas igualmente almejo ser, para os que comigo convivem, motivo de contentamento e de alegria.

Redação do Momento Espírita, com frases atribuídas a Estêvão, extraídas do cap. 8, pt . I, do livro Paulo e Estêvão, pelo Espírito Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier, ed. Feb.
Em 21.03.2011.
 Fonte: www.livrariamundoespirita.com.br.

Contatos fraternos


Recebemos no dia 23.03 um carinhoso contato que estamos publicando aqui:

Oi Meu nome é Nilda, morei na vila militar em 2007, sempre que  podia ia ao centro escutar o evagelho e tomar passe, vivi momentos maravilhosos em ITB, onde tive a graça de conhecer Claudia pessoa abençoada e especial,  que estará pra sempre em meu coração...
Grande abraço a todos....

VALEI-VOS DA LUZ - Mensagem FEB

 


*
 “Andai enquanto tendes a luz, para que as trevas não vos apanhem.” — Jesus. (JOÃO, CAPÍTULO 12, VERSÍCULO 35.)
O homem de meditação encontrará pensamentos divinos, analisando o passado e o futuro.
Ver-se-á colocado entre duas eternidades — a dos dias que se foram e a que lhe acena do porvir.
Examinando os tesouros do presente, descobrirá suas oportunidades preciosas.
No futuro, antevê a bendita luz da imortalidade, enquanto que no pretérito se localizam as trevas da ignorância, dos erros praticados, das experiências mal vividas. Esmagadora maioria de personalidades humanas não possui outra paisagem, com respeito ao passado próximo ou remoto, senão essa constituída de ruína e desencanto, competindo-as a revalorizar os recursos em mão.
A vida humana, pois, apesar de transitória, é a chama que vos coloca em contacto com o serviço de que necessitais para a ascensão justa. Nesse aben-çoado ensejo, é possível resgatar, corrigir, aprender, ganhar, conquistar, reunir, reconciliar e enriquecer-se no Senhor.
Refleti na observação do Mestre e apreender-lhe-eis o luminoso sentido. Andai enquanto tendes a luz, disse Ele.
Aproveitai a dádiva de tempo recebida, no trabalho edificante.
Afastai-vos da condição inferior, adquirindo mais alto entendimento.
Sem os característicos de melhoria e aprimoramento no ato de marcha, sereis dominados pelas trevas, isto é, anulareis vossa oportunidade santa, tor-nando aos impulsos menos dignos e regressando, em seguida à morte do corpo, ao mesmo sítio de sombras, de onde emergistes para vencer novos degraus na sublime montanha da vida.

Palestras da XIII Conferência Estadual Espírita do Paraná


Audio das palestras da XIII Conferência Estadual Espírita do Paraná ocorrido entre os dias 18 e 20 demarço de 2001



Palestra de abertura - dia 18/03/2011
Divaldo Franco - Mediunidade com Jesus
 
Download AQUI


Palestra do dia 19/03/2011
Sandra Borba - Mediunidade na perspectiva da Educação
 
Donwload AQUI


Palestra dia 20/03/2011
Alberto Almeida -Mediunidade e Saúde
 
Download a AQUI

Palestra do dia 20/03/2011
Raul Teixeira - Perigos e Inconvinientes da Mediunidade

Donwload AQUI

Fonte: http://amigoespirita.ning.com/

A tolerância - Gotas de Paz

A tolerância

Temos todos os dias ao abrirmos nossos olhos a oportunidade de exercitarmos em nós a tolerância.
Quando colocamos a tolerância para fazer parte do nosso dia a dia,temos mais tranqüilidade para observar as situações de uma forma a não nos tornarmos arrogantes ou intolerantes diante de certos episódios do dia a dia.
Não tem outra maneira de exercitarmos a tolerância, senão em nosso lar,em nosso trabalho, em nosso convívio social, são nesses núcleos onde encontramos condições para melhorarmos o nosso senso comum e estamos a disposição para aprendermos coisas boas ou ruins, só depende de nós.
Exercite a tolerância com aquele irmão em que só de ouvir a voz, você já não tolera.
Exercite a tolerância com aquele irmão que pensa ser o melhor em tudo.
Exercite a tolerância com aquele irmão que por várias vezes lhe tira do sério por não concordar com você.
Exercite a tolerância com aquele irmão que muitas vezes quer lhe ensinar algo, mas você não consegue compreender sua intenção.
Portanto temos vários motivos em nosso núcleo de convívio para exercitar a tolerância só depende de nós colocarmos em prática, ou ficarmos estacionados a sentimentos que não nos levam a lugar algum.
Quando exercitamos a tolerância temos a sensação de que crescemos um pouco mais e temos mais discernimento para enxergar a vida e seus acontecimentos.

 (Fonte site: http://www.gotasdepaz.com.br/)

terça-feira, 22 de março de 2011

Palestra pública do dia 19.03.2011

Palestra do dia 19/03 que foi ministrada pelo irmão Raimundo Afonso, de Belém, o tema foi Livro dos Espíritos - Lei do Trabalho. Na sexta-feira dia 18/03, na sede do Centro Espírita Luz do Amanhecer o irmão Afonso ministrou um curso sobre mediunidade tratando de como devemos agir como integrantes de um grupo mediúnico, da importância da leitura do Evangelho, do Livro dos Espíritos e do Livro dos Mediuns.




VI JORNADA MÉDICO ESPÍRITA DO PARÁ

                       
     VI JORNADA 
MÉDICO  ESPÍRITA  DO PARÁ

“Ciência e Espiritualidade para a Saúde”
Belém – CENTUR – 09 a 10 de abril de 2011




A VI Jornada Médico Espírita do Pará pretende divulgar e discutir com os profissionais da área de saúde, as mais recentes pesquisas que sedimentam a compreensão do binômio saúde e espiritualidade.

INSCRIÇÃO, PROGRAMAÇÃO, PALESTRANTES - Acesse o site: http://sites.google.com/site/jornadamepa
Valor da inscrição (profissional e público em geral R$-70,00; estudante – R$-35,00).
Toda a renda será revertida para as obras assistenciais do Grupo Espírita Jardim das Oliveiras.

Quantas vezes você você lembrou de Deus hoje?

Mensagem enviada pela colaboradora Tânia
Ele está presente em nossas vidas em todos os momentos, mas só lembramo-nos Dele nos momentos de aflição, tristeza, apreensão.
Nas alegrias que a vida nos proporciona esquecemos de agradecer, apenas lembramos que foi uma conquista pessoal.
Mas esta conquista não aconteceria se o Nosso Pai Maior não permitisse.
Agradeça também nas dificuldades, pois elas sempre nos trazem algum aprendizado que com certeza nos fará crescer.
Passe a ter Deus em seu coração não só nos momentos de tristeza e sim em todos os momentos de sua vida.
Nada melhor do que ter fé e acreditar que o dia de amanhã será um pouco melhor que o de hoje.