Nosso endereço

Início da Estrada do 53º BIS, s/nº ( Ao lado do IBAMA) Bairro Bom Jardim - Itaituba - PA. CEP: 68180-000

E-mail: ceacaminhodaluz2011@gmail.com

Site: http://www.ceacluz.com.br



sábado, 2 de abril de 2011

Caravana do Evangelho - 2011

Em reunião de trabalho realizada no dia 23/03/2011 ficou deliberado pela diretoria e pelos sócios presentes do C.E.A.C.D.L.  a reedição da " Caravana do Evangelho".

Trata-se de uma importante atividade que tem por objetivo levar a ação purificadora do evangelho para os lares de todos os interessados.

As solicitações de visitas da "Caravana do Evangelho" deverão ser efetuadas no C.E.A.C.D.L. através do preenchimento de uma lista de espera localizada em cima do balcão da livraria.

Ao abrir a sua casa para a " Caravana do Evangelho" o solicitante receberá a visita de um pequeno grupo do C.E.A.C.D.L. que realizará a prática do Evangelho no Lar.  O atendimento será feito na quarta-feira das 19:30 às 20:30.

Um grupo de membros voluntários ficará encarregado de atender às solicitações através da ordem de inscrição na lista de espera.

Os membros do C.E.A.C.D.L. interessados em participar da  "Caravana do Evangelho" entrem em contato através de nosso formulário de contato ou com a Tânia, Cláudia ou Sirlene. 

Amanhecer sobre o Rio Tapajós - Itaituba-PA

A natureza presenteia os olhos no nascer do sol sobre o Rio Tapajós. Como um dos afluentes mais belos e fascinantes do Rio Amazonas esse rio revela-se em inumeráveis matizes. Aos apreciadores das belezas amazônicas uma pitadinha do que temos aqui nos céus de Itaituba.




Mensagem FEB

LAVRADORES


*
"O lavrador que trabalha deve ser o primeiro a gozar dos frutos." - Paulo. (li TIMÓTEO, 2:6.)

      Há lavradores de toda classe.
      Existem aqueles que compram o campo e expiaram-no, através de rendeiros suarentos, sem nunca tocarem o solo com as próprias mãos.
      Encontramos em muitos lugares os que relegam a enxada à ferrugem, cruzando os braços e imputando à chuva ou ao solo fracasso da sementeira que não vigiam.
      Somos defrontados por muitos que fiscalizam a plantação dos vizinhos, sem qualquer atenção para com os trabalhos que lhes dizem respeito.
      Temos diversos que falam despropositadamente com referência a inutilidades mil, enquanto vermes destruidores aniquilam as flores frágeis.
      Vemos numerosos acusando a terra como inca- paz de qualquer
produção, mas negando à gleba que lhes foi confiada a bênção da
gota dágua e o socorro do adubo.
      Observamos muitos que se dizem possuídos pela dor de cabeça, pelo resfriado ou pela indisposição e perdem a sublime oportunidade de semear.
      A Natureza, no entanto. retribui a todos eles com o desengano, a dificuldade, a negação e o desapontamento.
      Mas o agricultor que realmente trabalha, cedo recolhe a graça do celeiro farto.
      E assim ocorre na lavoura do espírito.
      Ninguém logrará o resultado excelente, sem es- forçar-se, conferindo à obra do bem o melhor de si mesmo.
      Paulo de Tarso. escrevendo numa época de senhores e escravos, de superficialidade e favoritismo, não nos diz que o semeador distinguido por César ou mais endinheirado seria o legítimo detentor da colheita, mas asseverou, com indiscutível acerto, que o lavrador dedicado às próprias obrigações será o primeiro a beneficiar-se com
as vantagens do fruto.

Do livro FONTE VIVA
FRANCISCO CANDIDO XAVIER
DITADO PELO ESPÍRITO EMMANUEL

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Mensagem FEB

OBREIROS ATENTOS


*
"Aquele, porém, que atenta bem para a lei perfeita da liberdade e
nisso persevera, não sendo ouvinte esquecido, mas fazedor da obra,
esse tal será bem-aventurado em seus feitos."

- TIAGO, 1 :25.

     O discípulo da Boa Nova, que realmente comunga com o Mestre, antes de tudo compreende as obrigações que lhe estão afetas e rende sincero culto à lei de liberdade, ciente de que ele mesmo recolherá nas leiras do mundo o que houver semeado. Sabe que o juiz dará conta do tribunal, que o administrador responderá pela mordomia e que o servo se fará responsabilizado pelo trabalho que lhe foi conferido. E, respeitando cada tarefeiro do progresso e da ordem, da luz e do bem, no lugar que lhe é próprio, persevera no aproveitamento das possibilidades que recebeu da Providência Divina, atencioso para com as lições da verdade e aplicado às boas obras de que se sente encarregado pelos Poderes Superiores da Terra.
     Caracterizando-se por semelhante atitude, o colaborador do Cristo, seja estadista ou varredor, está integrado com o dever que lhe cabe, na posição de agir e servir, tão naturalmente quanto comunga com o
oxigênio no ato de respirar.
     Se dirige, não espera que outros lhe recordem os empreendimentos que lhe competem. Se obedece, não reclama instruções reiteradas, quanto às atribuições que lhe são deferidas na disposição regimental dos trabalhos de qualquer natureza. Não exige que o governo do seu distrito lhe mande adubar a horta, nem aguarda decretos para instruir-se ou melhorar-se.
     Fortalecendo a sua própria liberdade de aprender, aprimorar-se e ajudar a todos, através da inteira consagração aos nobres deveres que o mundo lhe confere, faz-se bem-aventurado em todas as suas ações, que passam a produzir vantagens substanciais na prosperidade e elevação da vida comum.
     Semelhante seguidor do Evangelho, de aprendiz do Mestre passa à categoria dos obreiros atentos, penetrando em glorioso silêncio nas reservas sublimes do Celeste Apostolado.

Do livro FONTE VIVA
FRANCISCO CANDIDO XAVIER
DITADO PELO ESPÍRITO EMMANUEL

quinta-feira, 31 de março de 2011

O Médico das Almas - Mensagem Luz da Razão

Copy_of_untitledJesus_Vera_1 “De caminho para Jerusalém, passava Jesus pela divisa entre a Samaria e a Galiléia. Ao entrar numa aldeia, saíram-lhe ao encontro dez leprosos, que ficaram de longe e levantaram a voz, dizendo: Jesus, Mestre, tem compaixão de nós! Jesus, logo que os viu, disse-lhes: Ide, mostrai-vos aos sacerdotes. E em caminho ficaram curados. Um deles, vendo-se curado, voltou, dando glória a Deus em alta voz, e prostrou-se aos pés de Jesus, agradecendo-lhe; e este era samaritano. Perguntou Jesus: Não ficaram curados os dez? onde estão os outros nove? Não se achou quem voltasse para dar glória a Deus, sendo este estrangeiro ? E disse ao homem: Levanta-te e vai; a tua fé te salvou.”
 
Porque disse Jesus ao samaritano: a tua fé te salvou? Porque a fé nesse crente, em tudo dissemelhante da dos Judeus, era despida de fanatismo, não se restringia aos moldes estreitos daquela fé convencional da escolástica religiosa.
 
A fé daquele samaritano era livre, isenta de peias dogmáticas, escoimada de todos os prejuízos sectários inerentes aos credos exclusivistas. Daí porque ele logrou sentir os eflúvios celestes banhando seu Espírito e despertando-lhe no coração os bons sentimentos, dentre os quais se distingue, como dos mais belos padrões de nobreza, a gratidão.
 
Jesus sarara os dez leprosos; mas, o prodígio só impressionou profundamente ao samaritano, porque_ só ele recebeu o influxo do céu, graças às condições do seu coração liberto do fanatismo que obceca a mente e embota as cordas do sentimento.
 
Por isso, enquanto os nove Judeus prosseguiram maquinalmente em demanda dos sacerdotes para cumprirem o preceito ritualístico de sua religião, o samaritano retrocedeu em busca do seu benfeitor, a cujos pés se prostrou, num gesto sublime de humildade e de profundo reconhecimento.
 
Sua alma possuía apreciável capacidade de sentir. O benefício recebido encontrou eco em seu coração suscetível de apreciar o bem e capaz de experimentar as emoções suaves e doces que o bem gera e acoroçoa.
Concluímos do exposto que o maior benefício que recebemos, através duma graça que nos é concedida, não está propriamente no objeto alcançado, mas no reconhecimento que o fato pode despertar.
 
A gratidão é o elo indissolúvel que une o beneficiado ao benfeitor. Assim, pois, quando o pecador tem capacidade moral para sentir o benefício que lhe é outorgado, fica por isso mesmo em comunhão com o céu: e nisto consiste o sumo bem conquistado. Jesus curava o corpo, visando a redimir o Espírito. Daí seu contentamento, verificando que, ao menos num, dentre os dez leprosos beneficiados, havia atingido o alvo visado em sua missão. E’ bom que todos os doentes do corpo saibam disto, a fim de se não iludirem buscando a saúde da matéria e relegando a do Espírito. São as enfermidades deste que o médico das almas, de preferência, veio curar.
 
Livro Em Torno do Mestre
Autor: Pedro de Camargo – Pseudônimo Vinicius
Local de Edição: Brasília – DF – Brasil – 1939
Paginas: 105 e 106


Mensagem FEB

*

PÁGINAS


 “Mas a sabedoria que vem do alto é primeiramente pura, depois pa-cífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem hipocrisia.” —(TIAGO, CAPÍTULO 3, VERSÍCULO 17.)
Toda página escrita tem alma e o crente necessita auscultar-lhe a natureza. O exame sincero esclarecerá imediatamente a que esfera pertence, no círculo de atividade destruidora no mundo ou no centro dos esforços de edificação para a vida espiritual.
Primeiramente, o leitor amigo da verdade e do bem analisar-lhe-á as linhas, para ajuizar da pureza do seu conteúdo, compreendendo que, se as suas expressões foram nascidas de fontes superiores, aí encontrará os sinais inequívocos da paz, da moderação, da afabilidade fraternal, da compreensão amorosa e dos bons frutos, enfim.
Mas, se a página reflete os venenos sutis da parcialidade humana, semelhante mensagem do pensamento não procede das esferas mais nobres da vida. Ainda que se origine da ação dos Espíritos desencarnados, supostamente superiores, a folha que não faça benefício em harmonia e construção fraternal é, apenas, reflexo de condições inferiores.
Examina, pois, as páginas de teu contacto com o pensamento alheio, diariamente, e faze companhia àquelas que te desejam elevação. Não precisas das que se te figurem mais brilhantes, mas daquelas que te façam melhor.

quarta-feira, 30 de março de 2011

O desafio do momento - Psicografia Raul Teixeira



Raul Teixeira
Louvadas sejam as mãos que operam as ações do Bem, dirigidas por mentes devotadas à fidelidade aos norteamentos do Consolador.
Não é fácil encontrar-se na Terra muitas almas dispostas a renúncias e sacrifícios em favor dos tempos novos que, paradoxalmente, todos aguardam.
A impressão que se tem é que mentes muito poderosas mas negativas, que conhecem bastante a esfera das fragilidades humanas, atuam no sentido de minar o bom ânimo ou de insuflar desesperança em muitos corações, afastando-os dos caminhos seguros do Senhor.
Nada obstante, as falanges do Bem, capitaneadas por Prepostos de Jesus Cristo, diligentes e discretas, seguem firmes no empenho de desfazer espessas sombras que desorganizam e perturbam, além de iluminar consciências, incentivando-as à esperada fidelidade aos ensinamentos do Espiritismo.
É com essa reflexão que convidamos  todos os irmãos de boa vontade para participarem da Caravana do Amor, que não se pode desmontar nem atarantar diante das investidas negativas do tempo presente.
O labor do Cristo nunca encontrou, na Terra, terreno fácil ou aceitação tranquila, mesmo entre indivíduos que se afirmam como seguidores do Bem. Para muitos deles seria mais interessante que a Mensagem Espírita não os retirasse das zonas de conforto nas quais se alocam, sem nenhum anseio de desacomodar-se, de ir à luta ou de efetuar as indispensáveis mudanças pelos caminhos da existência.
Como o Mestre afirmou que não se pode atender aos interesses de dois senhores, pelo risco de não se conseguir agradar a ambos igualmente, sentimos que já é tempo de optarmos pela polaridade mais importante para nós, ou seja, de fazermos as nossas escolhas definitivas para a vida.
É preciso que definamos a própria escala de valores, uma vez que ao assumirmos compromisso com a Verdade que liberta e com o Bem que alimenta, correremos menor risco de resvalar ou de nos conturbar à frente dos serviços a cumprir Seara afora.
A nossa união em torno do ideal Espírita não pode ser procrastinada, sob pena de perdermos o passo do progresso anelado nas idas do nosso Movimento Espírita, que se propõe difundir a exuberante mensagem do Mundo Maior.
Não temos mais tempo para qualquer modalidade de fuga, de defecção ou de negligência perante os compromissos com o futuro, que já começou.
Vários grupos de companheiros domiciliados nos Campos do Além, com os quais cooperamos pessoalmente, têm se somado às Falanges do Cristo, no sentido de reativar mentes incontáveis e de sensibilizar um sem-número de corações, para que não mais percamos a oportunidade de servir fielmente a Jesus.
Unamo-nos, pois, irmãos, fortalecendo-nos, reciprocamente, para que, devidamente reforçados e responsáveis, alcancemos a excelência da reencarnação e realizemos o nosso melhor esforço pela construção do sonhado mundo novo, a começar de nós mesmos e dos nossos dependentes intelectuais ou afetivos.
Para tanto, não deveremos nos afastar do estudo aprofundado do Espiritismo, por meio de sérias meditações, de discussões e análises graves sobre seus conteúdos tão felizes.
Não mais podemos ver o mundo a incendiar-se sem que nos apresentemos como operadores da paz e da alegria, da lucidez e do trabalho, sem qualquer omissão indevida.
No ensejo, bons amigos, contamos com a companhia dos caros Jaime Rolemberg e Leopoldo Machado, embora outros valorosos servidores desencarnados participem desses luminosos interesses.
O nosso grandioso Espiritismo, enfim, deve ser a nossa filosofia de vida ou não resistiremos ao peso do anticristo, que se materializa de diversas formas, pelas estradas da nossa evolução para o Criador. O tempo melhor, pois, é o agora!
Embora saibamos não ser fácil corporificar no mundo o projeto de Jesus Cristo, não poderemos esquecer que o nosso tempo é, de fato, o agora, e o nosso melhor dia é o de hoje.
Desejo abraçar a todos os irmãos que sustentam com seriedade o nosso Movimento, em todos os lugares, e despedir-me com fraternal carinho, sua irmã

Nancy Leite de Araújo
Psicografia de José Raul Teixeira, em 5 de novembro de 2010, durante a Reunião Ordinária do Conselho Federativo Nacional da Federação Espírita Brasileira, em Brasília, Distrito Federal.
Em 14.02.2011.

Tua solidão - Mensagem


Tu te sentes só, abrigando em ti ansiedade mórbida acerca do assunto.
A solidão é punição cruel, para ti, e ainda que estejas rodeado pelos familiares e os amigos te cerquem, és uma ilha, isolado do gênero humano, por intensa solitude.
Tens, entretanto, comportamento conflitante, pois, apesar de detestares a solidão, foges ao convívio social, produzindo em ti a gênese de neurose peculiar.
Reflete sobre esta neurose que pouco a pouco se instala. Analisa o vazio que sentes e que te sufoca, e, verificarás, que tua solidão é a ausência de Deus, dentro de ti.
Esqueceste-O no afã das conquistas materiais, perdendo o norte que te conduzia a Ele. E assim, sofres, saudoso de Sua presença, em imensa solidão.
Reclamas das noites que se alongam, porque só enxergas a escuridão erma do espaço vazio; não vislumbras as estrelas, porque teus olhos cerraram para as belezas da Criação.
E, enquanto a insônia cruel te mantém desperto, de olhos abertos, te encontras, todavia, lamentavelmente adormecido em espírito.
Tantas tarefas requisitam o teu auxilio! Tantas almas precisam da tua ajuda! Teu egoísmo não te permite vê-las, porque contemplas tão somente a tua amargura e soledade.
Não estás só! Nunca estarás! Perto de ti, almas confrangidas.
Aguardam o teu auxílio, enquanto os Espíritos bondosos se aproximam de ti. Não os sentes, uma vez que estás absorvido em ti mesmo e no mundo frio que te envolve.
Desperta! Sai para o calor que só o amor e a caridade propiciam àqueles que se dispõem a servir. Esquece o isolamento em que te encarceras; abre o mais radioso sorriso e confirma que a vida é bela.
Agradece esta dádiva que recebeste, suavizando-te as dores alheias, consolando os que choram, alimentando os que têm fome, formando, assim, companhia permanente na família da compaixão, do amor e da caridade.
Desse modo não mais te sentirás só, e o vazio dentro de ti será permanentemente preenchido pela presença amiga de Jesus.

Lar Espírita Chico Xavier - Psicografado por Vera Cohim pelo Espírito Amélia

Mensagem FEB

MÃOS À OBRA


*
 “Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação.” — Paulo. (1ª EPÍSTOLA AOS CORÍNTIOS, CAPÍTULO 14, VERSÍCULO 26.)

   A igreja de Corinto lutava com certas dificuldades mais fortes, quando Paulo lhe escreveu a observação aqui transcrita.
   O conteúdo da carta apreciava diversos problemas espirituais dos companheiros do Peloponeso, mas podemos insular o versículo e aplicá-lo a certas situações dos novos agrupamentos cristãos, formados no ambiente do Espiritismo, na revivescência do Evangelho.
   Quase sempre notamos intensa preocupação nos trabalhadores, por novidades em fenomenologia e revelação.
  Alguns núcleos costumam paralisar atividades quando não dispõem de médiuns adestrados.
  Por quê?
  Médium algum solucionará, em definitivo, o problema fundamental da iluminação dos companheiros.
  Nossa tarefa espiritual seria absurda se estivesse circunscrita à freqüência mecânica de muitos, a um centro qualquer, simplesmente para assinalarem o esforço de alguns poucos.
  Convençam-se os discípulos de que o trabalho e a realização pertencem a todos e que é imprescindível se movimente cada qual no serviço edificante que lhe compete. Ninguém alegue ausência de novidades, quando vultosas concessões da esfera superior aguardam a firme decisão do aprendiz de boa-vontade, no sentido de conhecer a vida e elevar-se.
  Quando vos reunirdes, lembrai a doutrina e a revelação, o poder de falar e de interpretar de que já sois detentores e colocai mãos à obra do bem e da luz, no aperfeiçoamento indispensável.

terça-feira, 29 de março de 2011

Mensagem - Joanna de Ângelis


"A vida são as incessantes oportunidades que surgem pela frente, jamais os insucessos que ocorreram no passado"

Joanna de Ângelis psicografada por Divaldo Pereira Franco no livro Plenitude. Ed. Leal, p. 46

Templo Espírita - Emmanuel



“Um templo espírita não é simples construção de natureza material. É um ponto do Planeta onde a fé raciocinada estuda as leis universais, mormente no que se reporta à consciência e à justiça, à edificação do destino e à imortalidade do ser. Lar de esclarecimento e consolo, renovação e solidariedade, em cujo equilíbrio cada coração que lhe compõe a estrutura moral se assemelha a peça viva de amor na sustentação da obra em si.”


EMMANUEL

Do Céu para a Terra

Richard Simonetti

O professor, em curso de mestrado, propôs aos alunos:
– Se fossem morar numa ilha deserta e pudessem levar apenas um livro, qual escolheriam?
Respostas variadas, segundo interesses, concepções e predileções individuais:
– Os Miseráveis, de Victor Hugo (1802-1885).
– O Emílio, de Rousseau (1712-1778).
– O Capital, de Marx (1818-1883).
– A Interpretação dos Sonhos, de Freud (1856-1939).
– A Origem das Espécies, de Darwin (1809-1882).
– As Flores do Mal, de Baudelaire (1821-1867).
– Os Diálogos, de Platão (428-348 a.C.).
– O Príncipe, de Maquiavel (1469-1527).
– A Teoria da Relatividade, de Einstein (1879-1955).
O professor sorriu:
– Não seria mais proveitoso um manual de sobrevivência?
O mestre foi, acertadamente, pragmático.
Numa situação dessa natureza, importa, sobretudo, a utilidade prática de uma obra literária.
Os livros escolhidos poderiam atender às suas aspirações literárias, mas eram inúteis em relação ao essencial:
Como sobreviver numa ilha deserta?
***
Lembrando a singela enquete, pergunto-lhe, prezado leitor:
Se você estivesse na Vida Espiritual, prestes a reencarnar neste vale de lágrimas, e lhe fosse concedido trazer um livro, no que pensaria?
Certamente, com a visão objetiva dos desencarnados, haveria de optar, igualmente, por um manual que o ajudasse a sobreviver.
Não me refiro à integridade física. Dela haveriam de cuidar o instinto de defesa da prole, em princípio, nos seus pais, e o instinto de conservação em você, depois.
Refiro-me a uma sobrevivência, digamos espiritual, a integridade dos projetos que certamente fez, porquanto não há de ter sido por mero diletantismo que mergulhou na carne.
Até posso adivinhar o que planejou:
• Disciplina das emoções.
• Reforma íntima.
• Exercício da caridade.
• Reconciliação com desafetos.
• Consolidação de laços afetivos.
• Resgate dos débitos cármicos.
Esse é o material de construção da gloriosa e desejada edificação – o Reino de Deus em nós, harmonizando-nos com os ritmos do universo.
A suprema ventura:
Colaborar com o Criador, na obra da Criação!
Assim, não tenho dúvidas de que você escolheria um livro que o ajudasse a superar a amnésia imposta pelo processo reencarnatório.
Com ele, tomaria conhecimento do que lhe compete fazer e caminharia com mais segurança, evitando perder-se nos meandros da ilusão, que conduz tanta gente ao fracasso.
Abençoado manual de sobrevivência, roteiro seguro para cumprimento dos sagrados objetivos que nos trazem à vida física, favorecendo uma existência feliz e produtiva.
***
Saiba, caro leitor, que esse livro maravilhoso está à sua disposição.
Graças à iniciativa de prepostos de Jesus, nosso governador celeste, e à lucidez de valoroso missionário, o “milagre” aconteceu.
O manual foi transposto do Céu para a Terra.

O missionário: Allan Kardec.
O manual: O Livro dos Espíritos.
Não o perca de vista!
Tenha-o sempre perto!
Leia, pesquise, consulte, estude, anote!
Gaste suas páginas!
Abebere-se de seus princípios!
Cumpra suas orientações!…
E haverá de sair-se muito bem!
Terá:
Na Terra – a seara que planejou no Além!
No Além – as bênçãos semeadas na Terra!

Mensagem FEB ( Federação Espírita Brasileira)

ANTES DE SERVIR


*

“Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir.” — Jesus. (MATEUS, CAPÍTULO 20, VERSÍCULO 28.)

Em companhia do espírito de serviço, estaremos sempre bem guardados. A Criação inteira nos reafirma esta verdade com clareza absoluta.
Dos reinos inferiores às mais altas esferas, todas as coisas servem a seu tempo.
A lei do trabalho, com a divisão e a especialização nas tarefas, prepondera nos mais humildes elementos, nos variados setores da Natureza.
Essa árvore curará enfermidades, aquela outra produzirá frutos. Há pedras que contribuem na construção do lar; outras existem calçando os caminhos.
O Pai forneceu ao filho homem a casa planetária, onde cada objeto se encontra em lugar próprio, aguardando somente o esforço digno e a palavra de ordem, para ensinar à criatura a arte de servir. Se lhe foi doada a pólvora destinada à libertação da energia e se a pólvora permanece utilizada por instrumento de morte aos semelhantes, isto corre por conta do usufrutuário da moradia terrestre, porque o Supremo Senhor em tudo sugere a prática do bem, objetivando a elevação e o enriquecimento de todos os valores do Patrimônio Universal.
Não olvidemos que Jesus passou entre nós, trabalhando. Examinemos a natureza de sua cooperação sacrificial e aprendamos com o Mestre a felicidade de servir santamente. Podes começar hoje mesmo. Uma enxada ou uma caçarola constituem excelentes pontos de início. Se te encontras enfermo, de mãos inabilitadas para a colaboração direta, podes principiar mesmo assim, servindo na edificação moral de teus irmãos.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Mensagem enviada pela colaboradora Tânia
Plantar e Colher...



Irmãos a caminhada evolutiva pode ser penosa e difícil.
As pedras que encontramos ao longo desse caminho se traduzem em dores físicas, perdas de entes queridos, do emprego, dos bens materiais e dificuldade nos relacionamentos.
Mas esses obstáculos ou fardos se tornarão mais leves se voltarmos os nossos pensamentos para dentro de cada um de nós, buscando em nosso íntimo a luz e a força que se transformarão em ânimo e coragem para enfrentá-los com fé, com a certeza de que todos são amparados na misericórdia do Pai e no amor do Divino Mestre que guia a cada irmão com os seus ensinamentos.
A revolta e a blasfêmia não amenizam a dor ou tornam a caminhada suave.
Estes sentimentos turvam os olhos e impedem esses irmãos de encontrarem ação que amenize essa dor.
Sabemos que a semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória.
Assim queridos, vigiem os seus pensamentos e palavras para que a colheita seja proveitosa.

 
De um irmão
A todos os amigos da Fraternidade

Mensagem recebida, pelo
Grupo de Estudos de Psicografia da
Fraternidade Francisco de Assis
em 23/03/2011

Otimismo - Mensagem

Nos momentos graves, pense assim:

NÃO VOU ME DESESPERAR, NEM PERDER O ÂNIMO E A CONFIANÇA. TUDO IRÁ MUDAR. Só Preciso ME CONTER E ESPERAR AS HORAS AMARGAS PASSAREM. O MOMENTO INSPIRA CUIDADOS E EU DEVO AGIR COM TRANQUILIDADE.

O desespero não contribuirá em nada. É preciso equilíbrio e paciência para vencer as tribulações da vida. Se você perder o autocontrole só irá tornar as coisas mais difíceis.

Esperar a correnteza dos temporais passar é preservar a própria vida.


BARBOSA, Valdemir. Força Interior. 02. ed. Brasília: Otimismo. 2007. p 21.


"Aos olhos de Deus, uma única autoridade legítima existe: A que se apóia no exemplo que dá do Bem."

Allan Kardec - O Evangelho Segundo o Espiristimo

Ante os que partiram


Luis Roberto Scholl

            A descrença na sobrevivência da alma é a maior fonte de desespero e desequilíbrio para quem ainda ficou na matéria. Mesmo crendo vagamente na existência da vida após a morte, as dúvidas contribuem para o agravamento da dor da separação.

            Costuma-se dizer: "- Mas ninguém voltou de lá para confirmar se existe vida depois da vida!" Ora, existem inúmeras provas da continuidade das existências, para quem realmente deseja ver, através da mediunidade de abnegados e idôneos médiuns: Chico Xavier, Divaldo Pereira Franco, Raul Teixeira, só para citar os mais conhecidos e contemporâneos; a Terapia de Vivências Passadas (TVP) está aí para dar o atestado científico. A partir das informações recebidas através da mediunidade e da TVP, foram feitas pesquisas aprofundadas sobre dados, locais, nomes surgidos nas sessões mediúnicas e nas terapêuticas comprovando-se a realidade dos fatos, especialmente quando o médium ou o paciente não teve acesso prévio às informações fornecidas.

            A certeza de que todos continuam vivos conforta e atenua a dor pois, sabendo ser a morte somente a mudança do estado físico para o espiritual pleno, confiamos que um dia nos reencontraremos com o ente querido.

            Ante os que partiram, é oportuno saber:

            1) Devemos aceitar resignadamente a separação. Ela não é definitiva, nem absoluta;

            2) Com exceção do suicida e do negligente, ninguém parte antes da hora. Se o desenlace acontece na infância ou na juventude, este era o tempo necessário para este espírito nesta encarnação;

            3) Na espiritualidade, os nossos amados rogam pelas boas lembranças, recordações de amor e carinho, jamais pelo desespero. A dor incontrolável, a angústia desmedida, a falta de fé e confiança podem abalar quem necessita de conforto na nova morada na espiritualidade;

            4) As visitas periódicas ao cemitério poderão, ao invés de ajudar, perturbar o desencarnado. Lá se encontra somente o corpo material em estágio de decomposição; o espírito vive liberto na dimensão espiritual. As lembranças constantes das circunstâncias da morte poderão lhe trazer desequilíbrio e tristeza desnecessários;

            5) Os valores gastos com velas, flores, coroas não beneficiam o espírito. Poderão ser mais bem utilizados suavizando as dificuldades alheias, fazendo a caridade em seu nome. É a lembrança que lhe é agradável;

            6) Não deve haver apego a objetos de uso pessoal. Doar roupas, calçados e pertences a quem necessita é como uma prece em benefício do desencarnado;

            7) A prece é a melhor maneira de ajudá-lo. Não é necessário estar em local específico, nem de aparatos ou rituais especiais. Com a oração pura e simples, feita com o coração, estabelece-se uma corrente fluídica de auxilio e conforto tanto para quem fica como para quem parte, encorajando-se mutuamente no enfrentamento desta nova situação.

            A morte do corpo é o único fato certo para quem está reencarnado. Encará-la com naturalidade e serenidade será benéfico para todos. A saudade é natural e dolorosa, mas não deverá se transformar em fator de desequilíbrio. A confiança em Deus, na sua infinita bondade e justiça, dá-nos a certeza de que nada acontece por acaso e tudo ocorre com a Sua permissão.


            "Mães, sabei que vossos filhos bem-amados estão perto de vós; sim, estão muito perto; seus corpos fluídicos vos envolvem, seus pensamentos vos protegem e a lembrança que deles guardais os enche de alegria(...)". Sanson, em o Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec, item 21, cap.5

domingo, 27 de março de 2011

A linguagem dos espíritos



Bezerra de Menezes

Os meios que os espíritos encontram para se comunicar são os pensamentos. Vejam vocês o problema da obsessão, da possessão...
O espírito não fala, no entanto localiza o seu perseguido. Ele localiza a criatura que tem débito para com ele através da erraticidade e o encontra. O encontra como? Pela força do pensamento.
O pensamento é a linguagem dos espíritos, a linguagem da alma. No momento em que estamos pensando, estamos gritando na erraticidade, em formas que se deliciam diante da visão daqueles que nos observam. Por isso, o ser encarnado é tão vulnerável, porque ele tem uma vida exterior, as vezes, incompatível com a sua vida interior.
Fala uma coisa e faz outra. Age de uma forma e, na verdade, é outra pessoa.
E instala, exatamente pelos pensamentos, a maior fonte de elevação de degradação do ser humano.
Podemos colocar em contato com os espíritos altamente superiores e deles receber orientações, porque possuímos aquelas micro ondas em nossas almas, que dispensam qualquer ligação, tal qual na Terra, também, se dispensa a ligação elétrica, tal o potencial das micro ondas.
Se estamos com o pensamento superior, se estamos agindo de forma sublimada, podemos atingir com a força do pensamento, altíssimas esferas e delas receber intuição, orientações e proteção.
Mas também podemos descer às enormidades das trevas e lá buscar aqueles degenerados da alma, com quem ontem nos comprazíamos em manter convívio e que, hoje, pela invigilância do pensamento, os despertamos do passado para a convivência do presente.
Por essa razão, devemos educar nossa mente, devemos pensar com responsabilidade, porque aquilo que pensamos é o que somos, não aquilo que falamos, porque a astúcia também ensina a falar certo.
Existem espíritos altamente trevosos que manipulam até mesmo o que há de mais puro e melhor nas criaturas, para retê-las. Portanto, devemos saber como agimos, como pensamos e, termos cuidado, muito cuidado, com a nossa mente.

Espírito Bezerra de Menezes
Psicofonia de Shyrlene S. Campos

Minutos de Sabedoria

Enviado pela colaboradora Rita

Irmãos na alma:


Que Jesus, o amigo incomparável de todas as horas nos bendiga. É com a alma transbordando de alegria que vejo o nosso Ceacluz, colaborando com a difusão desta Doutrina esclarecedora tão antiga ao mesmo tempo contemporânea.

Rita

________________________________________________________________

Cada um colhe, exatamente, aquilo que plantou. Se  sofremos, e porque estamos colhendo os frutos amargos das sementeiras errôneas do passado. Fique alerta quanto ao momento presente! Plante apenas sementes de otimismo e de amor, para colher amanha os frutos doces da alegria e da felicidade.
LEMBRE-SE de que colheremos, infalivelmente, aquilo que houvermos semeado.
                                                                                      
                                                     C.TORRES PASTORINO
                                                     Do livro -   Minutos de sabedoria

"Essa coletividade concordante da opinião dos Espirítos, passada, ao demais, pelo critério da lógica, é que constitui a força da Doutrina Espiríta e lhe assegura a perpetuidade."

Allan Kardec - A Gênese - Introdução

SIRVAMOS - Mensagem FEB

*
 
 
"Servindo de boa-vontade, como: sendo ao Senhor, e não aos homens".- Paulo. EFÉSIOS, 6:7.

      Se legislas, mas não aplicas a Lei, segundo os desígnios do Senhor, que considera as necessidades de todos, caminhas entre perigosos abismos, cavados por tuas criações indébitas, sem recolheres os benefícios de tua gloriosa missão na ordem coletiva.
      Se administras, mas não observas os interesses do Senhor, na estrada em que te movimentas na posição de mordomo da vida, sofres a ameaça de soterrar o coração em caprichos escuros, sem desfrutares as bênçãos da função que exerces no ministério público.
      Se julgas os semelhantes e não te inspiras no Senhor, que conhece todas as particularidades e circunstâncias dos processos em trânsito nos tribunais, vives na probabilidade de cair, espetacularmente, na mesma senda a que se acolhem quantos precipitadamente aprecies, sem retirares, para teu proveito, os dons da sabedoria que a       Justiça conserva em tua inteligência.
      Se trabalhas na cor ou no mármore, no verbo ou na melodia, sem traduzires em tuas obras a correção, o amor e a luz do Senhor, guardas a tremenda responsabilidade de quem estabelece imagens delituosas para consumo da mente popular, perdendo, em vão, a glória que te enriquece os sentimentos.
      Se foste chamado à obediência, na estruturação de utilidades para o mundo, sem o espírito de com- preensão com o Senhor, que ajudou as criaturas, amando-as até o sacrifício pessoal, vives entre os fantasmas da indisciplina e do desânimo, sem fixares em ti mesmo a claridade divina do talento que repousa em tuas mãos.
      Amigo, a passagem pela Terra é aprendizado sublime.
      O trabalho é sempre o instrutor do aperfeiçoamento.
      Sirvamos sem prender-nos. Em todos os lugares do vale humano, há recursos de ação e aprimoramento para quem deseja seguir adiante.
      Sirvamos, em qualquer parte, de boa-vontade, como sendo ao Senhor e não às criaturas, e o Senhor nos conduzirá para os cimos da vida.

Do livro FONTE VIVA
FRANCISCO CANDIDO XAVIER
DITADO PELO ESPÍRITO EMMANUEL

Fonte: http://www.febnet.org.br/site/mensagens-espiritas/mensagens-espiritas-diarias.php