Nosso endereço

Início da Estrada do 53º BIS, s/nº ( Ao lado do IBAMA) Bairro Bom Jardim - Itaituba - PA. CEP: 68180-000

E-mail: ceacaminhodaluz2011@gmail.com

Site: http://www.ceacluz.com.br



quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Mensagem Espírita - Elogios - Site da Federação Espírita Brasileira

Elogios


 
“Mas ele disse: Antes, bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam.” — (LUCAS, CAPÍTULO 11, VERSÍCULO 28.)
 
Dirigira-se Jesus à multidão, com o enorme poder do seu amor, conquistando geral atenção.

Mal terminara as observações amorosas e sábias, eis que uma senhora se levanta no seio da turba e, magnetizada pela sua expressão de espiritualidade sublime, reportase, em alta voz, às bem-aventurançaS que deviam caber a Maria, por haver contribuído na vinda do Salvador à face da Terra.
 
Mas, prestamente, na perfeita compreensão das conseqüências infelizes que poderiam advir da atitude impensada, responde o Mestre que, antes de tudo, serão bem-aventurados os que ouvem a revelação de Deus e lhe praticam os ensinamentos, observando-lhe os princípios.

A passagem constitui esclarecimento vivo para que não se amorteça, entre os discípulos sinceros, a campanha contra o elogio pessoal, veneno das obras mais santas a sufocar-lhes propósitos e esperanças.
Se admiras algum companheiro que se categoriza a teus olhos por trabalhador fiel do bem, não o perturbes com palavras, das quais o mundo tem abusado muitas vezes, construindo frases superficiais, no perigoso festim da lisonja.
 
Ajuda-o, com boa-vontade e entendimento, na execução do ministério que lhe compete, sem te esqueceres de que, acima de todas as bem-aventuranças, brilham os divinos dons daqueles que ouvem a Palavra do Senhor, colocando-a em prática.
 
 

Palestra Espírita - Depressão e autoconhecimento - Wanderley de Oliveira


Palestra Espírita - Alberto Almeida - Belém do Pará



terça-feira, 28 de agosto de 2012

Mensagem Espírita - Isso é contigo - Site da Federação Espírita Brasileira

Isso é contigo


 
“E disse: Pequei, traindo o sangue inocente. Eles, porém, responderam. Que nos importa? Isso é contigo.” — (MATEUS, CAPÍTULO 27, VERSÍCULO 4.)
 
A palavra da maldade humana é sempre cruel para quantos lhe ouvem as criminosas insinuações.

O caso de Judas demonstra a irresponsabilidade e a perversidade de quantos cooperam na execução dos grandes delitos.

O espírito imprevidente, se considera os alvitres malévolos, em breve tempo se capacita da solidão em que se encontra nos círculos das conseqüências desastrosas.

Quem age corretamente encontrará, nos felizes resultados de suas iniciativas, aluviões de companheiros que lhe desejam partilhar as vitórias; entretanto, muito raramente sentirá a presença de alguém que lhe comungue as aflições nos dias da derrota temporária.

Semelhante realidade induz a criatura à precaução mais insistente.

A experiência amarga de Judas repete-se com a maioria dos homens, todos os dias, embora em outros setores.

Há quem ouça delituosas insinuações da malícia ou da indisciplina, no que concerne à tranqüilidade interior, às questões de família e ao trabalho comum. Por vezes, o homem respira em paz, desenvolvendo as tarefas que lhe são necessárias; todavia, é alcançado pelo conselho da inveja ou da desesperação e perturba-se com falsas perspectivas, penetrando, inadvertidamente, em labirintos escuros e ingratos. Quando reconhece o equívoco do cérebro ou do coração, volta-se, ansioso, para os conselheiros da véspera, mas o mundo inferior, refazendo a observação a Judas, exclama em zombaria: — “Que nos importa? Isso é contigo.”
 

Mensagem Espírita - Fazer - Site da Federação Espírita Brasileira

Fazer

Nestor João Masotti
Presidente da Federação Espírita Brasileira
 
“Mestre, que farei para herdar a vida eterna?”, perguntou o doutor da lei a Jesus, que devolveu a questão indagando: “Que está escrito na lei? Como lês?”. Este, de pronto, esclareceu que a lei determina: “Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento e ao teu próximo como a ti mesmo”. Ouvindo isto, Jesus afirmou: “Respondeste bem; faze isso e viverás”. O diálogo continuou, com o doutor da lei perguntando: “E quem é o meu próximo?”. Jesus, então, narrou a Parábola do Bom Samaritano, a qual levou o doutor da lei a reconhecer que o “próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores” foi “o que usou de misericórdia para com ele”. Concluiu Jesus: “Vai e faze da mesma maneira.”1
 
Este diálogo do doutor da lei com Jesus, aqui resumido, destaca a importância, em nossas vidas, do verbo fazer, constantemente citado no Evangelho. Em outra parábola,referindo-se aos justos, o Mestre afirma: “[...] todas as vezes que isso fizestes a um destes mais pequeninos dos meus irmãos, foi a mim mesmo que o fizestes”.2
 
O Evangelho é, para nós, consolação, orientação e bálsamo: demonstra a nossa imortalidade, fortalece a nossa esperança e a nossa fé, mostra-nos o caminho a seguir, desvenda a bondade e a justiça de Deus junto a nós, mas deixa claro, também, que a felicidade e a paz que pretendemos alcançar dependem, fundamentalmente, da nossa vontade e da nossa ação direta na execução da Lei de Amor, que emana de Deus.
 
Na questão 642 de O Livro dos Espíritos, Allan Kardec pergunta: “Para agradar a Deus e assegurar a sua posição futura, bastará que o homem não pratique o mal?” E os Espíritos superiores afirmam: “Não; cumpre-lhe fazer o bem no limite de suas forças, porquanto responderá por todo mal que haja resultado de não haver praticado o bem”.3
 
Diante deste alerta, é importante permanecermos atentos para com as nossas tarefas na Seara Espírita, uma vez que poderemos estar fazendo tão-somente uma pequena parte do bem que temos condições de fazer, sentindo, posteriormente, a falta do que deixamos de fazer.
 
Tem sido comum, nas reuniões mediúnicas, a manifestação de espíritas desencarnados que muito realizaram aqui na Terra, mas que lamentam não terem feito tudo quanto podiam e deviam.
 
Realmente, muitas vezes estudamos as leis que nos regem,reconhecemos e agradecemos a bondade divina, emocionamo-nos com os ensinos do Evangelho, mas não realizamos, plenamente, toda a cota de bem que poderíamos e deveríamos fazer.
 
Não é sem razão que o Bom Mestre insiste, no seu Evangelho: “Se sabeis essas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes”.4
 
1) LUCAS, 10:25-37.
2) KARDEC, Allan. O evangelho segundo o espiritismo. Trad. Guillon Ribeiro. 129. ed. Rio de Janeiro: FEB. 2009. Cap. 15, item 1.
3) Idem. O livro dos espíritos. Trad. Guillon Ribeiro. 91. ed. 1. reimp. Rio de Janeiro: FEB, 2008.
4) JOÃO, 13:17.
(Do Editorial de Reformador, janeiro de 2010)
Nestor João Masotti é presidente da Federação Espírita Brasileira e secretário geral do Conselho Espírita Internacional.
 

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Mensagem - O peso do Viver - Site Momentos de Reflexão





Clique em Mostrar Imagens para ouvir o som de fundo e ver as imagens

O Peso do Viver
Viver não é uma tarefa muito fácil.

Em todas as fases da vida os desafios se apresentam.

Na infância, há os trabalhos escolares, as tarefas cada vez mais complexas.

Na adolescência, perceber o mundo pode ser bastante doloroso.

Na juventude, deve-se optar por uma profissão e desenvolver esforços para conquistá-la.

Na época da maturidade, surgem problemas com filhos e abundam desafios profissionais.

Na velhice, o balanço do que se viveu pode causar decepção, sem falar nas forças físicas em declínio.

Permeando tudo isso, há problemas de saúde e amorosos, além de dificuldades com a família.

A vida é repleta de encontros e desencontros, de despedidas, lutas, vitórias e fracassos.

Dependendo do ângulo que se analisa, a vida pode parecer um castigo, um autêntico peso a ser suportado.

E realmente os problemas são inerentes ao viver.

Desconhece-se alguém que tenha atravessado a existência sem enfrentar dúvidas e crises.

Entretanto, viver é uma dádiva divina.

Embora a vida também envolva dores e sacrifícios, ela não se resume nisso.

Há a emoção do nascimento de um filho, a alegria de amar e ser amado, a beleza de um pôr-do-sol.

Depende de cada um escolher quais aspectos de sua existência irá valorizar.

É possível manter a mente focada na longa enfermidade que se atravessou, ou nas lições que com ela foram aprendidas.

Podem-se destacar os esforços feitos em determinada direção, ou a satisfação da vitória.

Conforme seja enfocado o aspecto positivo ou negativo das experiências, viver será algo mais ou menos leve.

Mas há outro aspecto a ser considerado a respeito das dificuldades inerentes à existência humana.

Como tudo no universo, os homens estão em constante aprimoramento.

Todos são espíritos, em jornada para a amplitude.

A existência terrena é um diminuto instante nessa maravilhosa viagem pelo infinito.

Após estagiar por longo tempo na seara do instinto, a humanidade desenvolve sua razão e ruma para a angelitude.

Para isso, necessita aprimorar sua sensibilidade, tornar-se valorosa e nobre.

As experiências com que a criatura se depara voltam-se justamente a prepará-la para seu glorioso porvir.

É preciso que os instintos gradualmente percam sua força, dando lugar às virtudes.

Assim, amar não mais como manifestação de posse, mas de forma sublime, preocupando-se em ver feliz o ser amado.

Educar a própria libido, percebendo-a como energia criativa, em harmonia com o cosmo.

Esquecer a tendência de dominar pela força, aprendendo a convencer pela lucidez dos argumentos.

Abdicar da violência, desenvolvendo a afabilidade e a doçura.

A vida chama as criaturas para um amanhã de luz, de paz e ventura.

Ocorre não ser possível cultivar um jardim em pleno charco.

Justamente por isso viver parece tão difícil.

É que os homens são constantemente convidados a abrir mão de velhos vícios.

Tanto maior seja a resistência em aprender a lição, tanto mais contundente ela será.

Assim, se você quer ser feliz, desfrutar de bem-estar, passe a remar a favor da maré.

Dome seus vícios, conscientizando-se de que eles é que o infelicitam e tornam sua existência penosa.

Ame a vida, seja honesto, trabalhador, bondoso e puro.

Em pouco tempo seu viver se tornará leve e prazeroso, pois você terá instalado um céu dentro de sua própria consciência.
 

domingo, 26 de agosto de 2012

Mensagem Espírita - Cultiva a paz - Site da Federação Espírita Brasileira

Cultiva a paz


 
 
 
“E, se ali houver algum filho da paz, repousará sobre ele a vossa paz ; e, se não, ela voltará para vós.” – Jesus. (LUCAS, 10:6.)
 
Em verdade, há muitos desesperados na vida humana. Mas quantos se apegam, voluptuosamente, à própria desesperação? quantos revoltados fogem à luz da paciência? quantos criminosos choram de dor por lhes ser impossível a consumação de novos delitos? quantos tristes escapam, voluntariamente, às bênçãos da esperança?
 
Para que um homem seja filho da paz, é imprescindível trabalhe intensamente no mundo Intimo, cessando as vozes da inadaptação à Vontade Divina e evitando as manifestações de desarmonia, perante as íeis eternas.
 
Todos rogam a paz no Planeta atormentado de horríveis discórdias, mas raros se fazem dignos dela.
Exigem que a tranqüilidade resida no mesmo apartamento onde mora o ódio gratuito aos vizinhos, reclamam que a esperança tome assento com a inconformação e rogam à fé lhes aprove a ociosidade, no campo da necessária preparação espiritual.
 
Para esmagadora maioria dessas criaturas comodistas a paz legítima é realização muito distante.
Em todos os setores da vida, a preparação e o mérito devem anteceder o benefício.
 
Ninguém atinge o bem-estar em Cristo, sem esforço no bem, sem disciplina elevada de sentimentos, sem iluminação do raciocínio. Antes da sublime edificação, poderão registrar os mais belos discursos, vislumbrar as mais altas perspectivas do plano superior, conviver com os grandes apóstolos da Causa da Redenção, mas poderão igualmente viver longe da harmonia interior, que constitui a fonte divina e inesgotável da verdadeira felicidade, porque se o homem ouve a lição da paz cristã, sem o propósito firme de se lhe afeiçoar, é da própria recomendação do Senhor que esse bem celestial volte ao núcleo de origem como intransferível conquista de cada um.