Nosso endereço

Início da Estrada do 53º BIS, s/nº ( Ao lado do IBAMA) Bairro Bom Jardim - Itaituba - PA. CEP: 68180-000

E-mail: ceacaminhodaluz2011@gmail.com

Site: http://www.ceacluz.com.br



sábado, 6 de outubro de 2012

Artigos Espíritas - Chico Xavier e o fim do mundo em 2019 - Site Recanto das Letras

 

 

 

Chico Xavier e o fim do mundo em 2019

 


O periódico espírita denominado Folha Espírita de Maio de 2011 (http://www.vinhadeluz.com.br/site/noticia.php?id=760) publicou um interessante material de autoria atribuída a Chico Xavier dando conta de acontecimentos que se darão no planeta, fazendo referência ao ano de 2019.

A doutrina espírita codificada por Allan Kardec, além de possuir um conteúdo espiritual, com caráter de revelação Divina à humanidade, possui um elemento chave que a diferencia das demais revelações e religiões: a existência de um método claro e ao alcance de todos.

Todas as informações repassadas pelos espíritos foram feitas através de perguntas sérias, meticulosamente elaboradas com o objetivo de evitar a todo custo idéias falsas e distorcidas que não estivessem de acordo com a doutrina espírita em seus conceitos mais gerais.

O Livro dos Espíritos é um tratado composto de perguntas e respostas, muitas delas colocando em cheque as respostas dos espíritos comunicantes, levando a um maior esclarecimento. A maioria dos aspectos relevantes para o mundo espiritual foram ali tratados.

Elementos como ambiguidade e obscuridade são evitados e atacados com novas perguntas que os podem esclarecer.

Tão importante como o conteúdo revelado pelo espiritismo é o método que ele utiliza para chegar a essas respostas, pois nos fornece um roteiro bem seguro para não cairmos em fantasias ou ilusões que em nada acrescentarão ao nosso desenvolvimento espiritual.

O Livro dos Médiuns também, sem dúvida, é um esforço de Kardec no sentido de acautelar os espíritas quanto ao trato com a vida espiritual, ensinando que existem espíritos sábios e ignorantes com iguais condições de se comunicar e que se optarmos pela admiração ingênua e pelo endeusamento sem critérios podemos muito facilmente nos encontrar com a decepção.

Qualquer afirmação sobre o conteúdo e a veracidade dessa revelação que, segundo Geraldo Lemos Neto, o Geraldinho nos foi legada por Chico Xavier deverá estar devidamente acompanhada pelos critérios propostos por Kardec, sem exceções, sob pena de extrapolarmos os limites da razoabilidade, tão preciosos ao espiritismo.

Não falamos aqui da adoção cega de preceitos espíritas, nos moldes do fanatismo, que propõe estarmos sempre desconfiados e fechados a coisas novas. Falamos sim de critérios razoáveis que podem nos auxiliar na busca da convicção sobre determinado assunto, seja ele novo ou não.

Chico Xavier, espírito iluminado pelo amor e pelo evangelho, nos deixou uma gigantesca obra espiritual, coerente com os postulados espíritas do início ao fim.

Todo esse trabalho foi , durante sua vida, acompanhado de ação em prol do benefício do próximo, num grau de desprendimento material só observado em grandes vultos da humanidade, naqueles que, a título de exemplo são chamados por outras religiões de "Santos".

Isso por si só já é credencial suficiente para darmos créditos às suas palavras.

Na análise da reportagem mencionada podemos observar informações interessantes que nos dão conta de quem é a pessoa de Geraldo Lemos Neto, suas credenciais são boas, fundador da Casa Espírita Chico Xavier de Pedro Leopoldo, terra natal do médium mineiro, e fundador também da editora Vinha de Luz.

Além disso, nos é informado que Geraldo teve uma convivência intensa com Chico Xavier. São elementos que respaldam a veracidade de tudo o que foi dito por ele e que as tais previsões tem a autoria genuína em Chico Xavier.

Superada essa fase inicial de análise é sempre importante lembrarmos que tais previsões não nos foram dadas diretamente por Chico Xavier e nem constam em livros publicados por ele. Isso faz com que jamais tenhamos certeza absoluta de sua autoria ou ainda da integridade das informações ali contidas.

Por mais que confiemos e as evidências nos favoreçam precisamos ser realistas e observarmos as coisas com imparcialidade, sob pena, de termos por verdadeiro algo que não pode ser cem por cento provado.

Resta agora a análise do que foi dito, daquilo que consta na entrevista de Geraldo Lemos Neto. É preciso que algumas coisas fiquem esclarecidas. Chico Xavier tinha por hábito fazer previsões de caráter profético? Encontramos essas previsões em suas obras conhecidas? O conteúdo da previsão analisada harmoniza-se com o restante da obra dele? A previsão embora seja inédita, harmoniza-se com outras, presentes no movimento espírita ou é exclusivamente tratada ali? Outros médiuns tratam do assunto?

O que podemos verificar é que, como é dito na própria reportagem, ao menos uma obra de Chico Xavier: " A Caminho da Luz" traz informações sobre coisas que aconteceriam no futuro, mais especificamente no nosso século. Em segundo lugar, no que diz respeito à harmonização, desde Kardec fala-se no âmbito do espiritismo em transição planetária de mundo de provas e expiação para mundo de regeneração.

No movimento espírita atual muito se fala em transição planetária, Divaldo é um de seus grandes divulgadores. Tudo isso confere mais credibilidade à previsão de Chico para 2019.

Para finalizarmos entendemos que para o espírita o conhecimento do futuro é algo que só tem valor sob o ponto de vista do plantio e da colheita. Reconhecermos que somos responsáveis por todas as nossas ações tanto no plano individual como no plano coletivo.

Não precisamos de profecias para perceber que nosso planeta está agonizando, não como castigo de Deus, mas como fruto da própria inconsciência humana. Ficarmos amedrontados nos moldes do que pregam as religiões tradicionais com o eterno medo do inferno e do apocalipse não é uma atitude madura e saudável.

A nosso ver a atitude mais coerente é promovermos com urgência nossa reforma íntima. Estarmos prontos para o futuro é algo que tem tudo a ver com nosso desenvolvimento espiritual, com nossos pensamentos e nossas atitudes. Bem sabemos da finitude de nossa existência!

No plano científico, nos cabe colocarmo-nos como expectadores da vida quando então poderemos constatar se essas previsões estão certas ou não. Se estiverem poderemos avaliar o quanto nos foram úteis. Se não estiverem talvez possamos avaliar o quanto nossas atitudes são capazes de mudar nosso destino ou o destino do planeta.

Astúrio Passos
 

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Mensagem Espírita - Credores diferentes - Site da Federação Espírita Brasileira

Credores diferentes


 
“Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos.” – Jesus. (MATEUS, 5:44.)
 
 
O problema do inimigo sempre merece estudos mais acurados. 

Certo, ninguém poderá aderir, de pronto, à completa união com o adversário do dia de hoje, como Jesus não pôde rir-se com os perseguidores, no martírio do Calvário.

Entretanto, a advertência do Senhor, conclamando-nos a amar os inimigos, reveste-se de profunda significação em todas as facetas pelas quais a examinemos, mobilizando os instrumentos da análise comum.

Geralmente, somos devedores de altos benefícios a quantos nos perseguem e caluniam; constituem os instrumentos que nos trabalham a individualidade, compelindo-nos a renovações de elevado alcance que raramente compreendemos nos instantes mais graves da experiência.

São eles que nos indicam as fraquezas, as deficiências e as necessidades a serem atendidas na tarefa que estamos executando.

Os amigos, em muitas ocasiões, são imprevidentes companheiros, porquanto contemporizam com o mal; os adversários, porém, situam-no com vigor.

Pela rudeza do inimigo, o homem comumente se faz rubro e indignado uma só vez, mas, pela complacência dos afeiçoados, torna-se pálido e acabrunhado, vezes sem conta.

Não queremos dizer com isto que a criatura deva cultivar inimizades; no entanto, somos daqueles que reconhecem por beneméritos credores quantos nos proclamam as faltas.

São médicos corajosos que nos facultam corretivo.

É difícil para muita gente, na Terra, a aceitação de semelhante verdade; todavia, chega sempre um instante em que entendemos o apelo do Cristo, em sua magna extensão.